desordem

UM BLOG DE EDUARDO BRITO

exeunt.

ACT I. SCENE I.
A desert place. Thunder and lightning.

Enter three Witches.

FIRST WITCH. When shall we three meet again?
In thunder, lightning, or in rain?
SECOND WITCH. When the hurlyburly’s done,
When the battle’s lost and won.
THIRD WITCH. That will be ere the set of sun.
FIRST WITCH. Where the place?
SECOND WITCH. Upon the heath.
THIRD WITCH. There to meet with Macbeth.
FIRST WITCH. I come, Graymalkin.
ALL. Paddock calls. Anon!
Fair is foul, and foul is fair.
Hover through the fog and filthy air.

Exeunt.


in Macbeth, de William Shakespeare.
Fotograma de The Tragedy of Macbeth, Roman Polanski, 1971.


A Desordem (2010-2011) , sequela de A Divina Desordem (2006-2010), deixa de se publicar a partir de hoje. O trabalho do autor pode continuar a seguir-se em www.eduardo-brito.com. Novas aventuras aí se anunciarão um destes dias: recomeçar é sempre preciso.

imaginar histórias na cidade.

Esta fotografia é a imagem 423 da Colecção de Fotografia da Muralha, Associação de Guimarães para a defesa do património. Retrata alunas do Colégio de S. José, possivelmente em Donim, Guimarães, algures na década de 1920. É uma digitalização de um negativo em gelatino-brometo de prata sobre placa de vidro, 13×18cm.

O tempo de espera da imagem radicou-se, precisamente, nas figuras da fotografia: ao rasgar a emulsão da imagem, distorceu-as e desfocou-as. As pessoas, já anónimas porque inidentificáveis, perdem assim o rosto, a forma, a figura. E a fotografia torna-se apenas tempo: tempo parado de uma corrente inexorável sob tempo de desgaste, de erosão e de esquecimento.

A Cidade da Muralha é a primeira exposição do projecto Reimaginar Guimarães, da Área de Cinema e Audiovisual da Guimarães 2012 - Capital Europeia da Cultura. Apresenta uma selecção de fotografias de espaço público ou semi-público da cidade de Guimarães provenientes da Colecção de Fotografia da Muralha.

Estas imagens são a primeira apresentação do trabalho de arquivo que tem vindo a ser desenvolvido com base nesta Colecção. Mostram a cidade num segmento de tempo desde finais do século XIX até meados do século XX, propondo uma leitura relacional e narrativa destas fotografias.

 Para ver de 16.12.2011 até 29.01.2012,
 no CAAA - Centro para os Assuntos da Arte e Arquitectura -
 Rua Padre Augusto Borges de Sá, Guimarães.
 
 Inauguração: 16.12.2011, às 22.00.
Entrada livre e bem-vinda.
 
A inauguração da exposição conta com o lançamento de livro-catálogo com ensaio de Susana Lourenço Marques e desenho de Cláudio Rodrigues e do website do projecto, www.reimaginar.org.

Mais sobre as imagens, exposição & livro em breve.


falar de fotografia.



+ info aqui.

porto-deriva-futuro.

Portugal Portefolio
v. 2.0 - Porto (uma imagem do)
Festival Future Places
19 e 20 de Outubro de 2011 
apresentação de resultados a 22 de Outubro @ Maus Hábitos

Vamos imaginar que olhamos para uma fotografia do nosso país e, de imediato, dizemos: o meu país é isto, também é isto. As imagens querem sempre ser figuras de estilo: sinédoques e metáforas que sintetizam e condensam dentro de linhas o tempo e os lugares do mundo em que vivemos. O exercício Portugal Portefólio começou por ser uma experimentação académica, na cadeira de História e Teoria da Imagem (FBAUP, 2010/2011), encontrando as imagens que fazemos do país, as imagens que temos de Portugal, os documentos que conseguem ser símbolos, enquadrando, com um curto texto, as opções tomadas e as escolhas feitas.

A versão 2.0 do Portugal Portefolio acontece no Festival Future Places 2011. Continuando a explorar a semântica das imagens fotográficas, aborda, porém, uma outra dimensão que este tipo de exercício possibilita: a cidade do Porto é agora o espaço cujo simbolismo e síntese se procura. Porém, esta deambulação não se faz em jeito de viagem ou de passeio. Antes se relaciona com a ideia da Deriva Psicogeográfica de Guy Debord (1958): exclui-se a rota, o caminho pré-definido e o lugar comum; propõe-se a volta peripatética, em busca das sínteses do acaso no espaço geográfico indefinido da cidade do Porto. No final, as imagens do Portefolio serão, também, novas formas de definir e simbolizar uma cidade, de dizer que Porto também é isto.

Apresentação de resultados do workshop e do website do Portugal Portefolio no sábado, 22 de Outubro, às 17h00 nos Maus Hábitos.

+ informações, inscrições e derivas aqui.

As Discópicas.

Discópica Primeira, em que se apresenta uma imagem composta por duas fotografias unidas pela linha do horizonte e por identificáveis opostos, cuja titulação se deve à relação paradoxal com a imagem estereoscópica.

Impressão digital em papel fotográfico, 100 x 37,5 cm, feita em 2011.

As Discópicas são uma série em progresso de dípticos fotográficos.

Ampliação aqui.